domingo, 21 de dezembro de 2014

A ficha caiu só agora enquanto lia uns posts sobre dietas.
Lá se vai mais um ano e eu ainda continuo comendo e depois me sentindo um lixo...
Desde que arrumei esse novo emprego tenho comido feito um boi e odeio isso. Eu NUUNCA comia em público pois morria (morro) de vergonha de mastigar e de começar a comer e não parar mais, mas mesmo assim, como lá no serviço ¬¬. Eu quis deixar essa coisa toda de lado, comer quando me desse vontade e não pensar nisso o tempo todo, mas não adianta. A noite é cruel. E a culpa também. E além de me sentir triste e sozinha, me sinto gorda também.
A muito tempo não me peso, mas vou resolver isso na segunda. Da última vez estava com 45,5 (uma vergonha pra quem queria fechar o ano com 40 kg). Sinto que engordei, sinto nas pernas, na barriga, em tudo. Ao mesmo tempo as meninas do meu trabalho ficam me zuando porque não tenho bunda nem peito. O resultado: me sinto uma obesa, sem bunda, sem peito, ridícula e descabelada (a transição tem mexido muito comigo). A única "notícia boa"? Tenho um emprego. Assim todos acham que estou bem. Mas a verdade é outra e preciso parar de escondê-la em biscoitos recheados e torradas. Dieta de emergência a caminho.

Meu cabelo como estou usando agora (ignorem minha coxa gorda ¬¬') 

domingo, 14 de dezembro de 2014

A vida anda um tédio: trabalho, comida, trabalho e mais comida. Finjo que não me importo em comer e que me sinto ofendida com bullying que sofro diariamente no trabalho por ser magra demais mas a verdade não é essa. Me sinto obesa. E mesmo comendo sem vontade e até frequentando praças de alimentação com as colegas do trabalho ainda me sinto do mesmo jeito aqui dentro. Horrível e vazia.
Semana passada foi o show da banda do atual da minha irmã e do meu ex também. Nesse mesmo dia as meninas do trabalho tinham combinado de ir comer depois do expediente (lá se foi a possibilidade de ir diva no show). Eu não ia, nem levei grana, mas insistiram e eu acabei indo (e consequentemente mudando meus planos). Cheguei em casa quase vomitando comi demais nojenta!, arrumei o cabelo, fui ao supermercado comprar bebidas, depilei as pernas, fiz maquiagem....foi uma loucura só. E mesmo tendo comido pra caralho, o vestido ficou bem em mim *-* fiquei tão tonta que nem tirei fotos, desculpe Ana. Mesmo a ponto de desistir e chorar, eu fui. Cheguei lá já bêbada, mas foda-se aquela era minha noite. Fingi que nem o vi, bebi pra caralho (o que foi ruim porque não peguei ninguém, o que ao mesmo tempo foi bom pois conhecia quase todo mundo). Um amigo dele (que era afim de me pegar) veio falar comigo dele pra me provocar, mas eu disse a ele que sabia que era recalque dele porque ele nunca me pegou hahaha (não é amor próprio, é orgulho mesmo). Depois a noite virou um terror, mas a culpa foi minha e eu já tinha ido embora. O que importa é que naquela noite eu me apaixonei por mim mesma só pra mostrar pra ele que eu superei. Mesmo não sendo uma verdade absoluta. A encenação foi impecável (afinal fingir é comigo mesmo).
De resto, quando não estou trabalhando estou comendo/ pensando em comida ou me sentindo sozinha/ abandonada e isso me deixa péssima. Com certeza engordei, mas tenho medo (e preguiça) de me pesar. Eu fiquei com meu amigo nesse tempo algumas vezes e ele meio que me pediu pra transar com ele mas isso estragaria tudo. Sem contar que ele tem namorada (e sim, está chifrando ela comigo. E sim, eu conheço ela e não estou nem fodendo). Eu gosto dele sabe, mas não tanto assim, não o suficiente pra me envolver com ele ao ponto dele saber quem eu sou de verdade (porque sou cheia de cicatrizes). 
Minha paixão súbita pelo meu monitor morre um pouquinho a cada dia e isso é bom. Não preciso me esforçar pois ele faz isso sozinho.
Ás vezes fico pensando em como o acaso não é bacana comigo, em como ninguém se interessa por mim. Me sinto sozinha. E um lixo. Mas claro, ninguém sabe disso. Somente vocês.